in

Com filme simples, mas ao mesmo tempo grandioso, parceria entre Sony e Marvel Studios acerta novamente com “Homem-Aranha: Longe de Casa” | Crítica

Na nova aventura do teioso, Peter Parker (Tom Holland) vai tirar férias com os amigos da escola em uma viagem pela Europa e acaba sendo surpreendido quando Nick Fury (Samuel L. Jackson) pede sua ajuda para enfrentar uma nova ameaça: Os Elementais. Para isso, Peter precisará lutar ao lado de Mysterio (Jake Gyllenhaal), um novo herói que afirma vir diretamente de uma terra paralela.

Com a missão de explicar aos espectadores o que aconteceu após os ocorridos em “Vingadores: Ultimato”, o segundo filme da nova franquia de “Homem-Aranha” chega as telonas com uma história simples, objetiva, porém grandiosa e muito bem amarrada por seus roteiristas Chris McKenna e Erik Sommers (Homem-Formiga e a Vespa) que não entram em conflito com ideias anteriores e deixam as portas bem abertas para o que virá no futuro do MCU (Universo Cinematográfico da Marvel).

Nesta sequência, presenciamos um Peter Parker (Holland) tendo que conviver com a dor de perder seu mentor e em conflito consigo mesmo, já que sempre quis ser um Vingador, mas percebeu o quão pesado isso pode ser para um adolescente. Devido a isto, ele tenta buscar um momento de descanso com seus amigos, mas Fury (Samuel L. Jackson) como uma espécie de diretor chato da escola aparece e estraga os seus planos.

Um Grande ponto a ser ressaltado é a ótima atuação de Jake Gyllenhaal, entregando um excelente Mysterio, que ao mesmo tempo que nos deixa muito intrigados, nos faz simpatizar com o personagem. Outro crédito a ser dado é o de Zendaya (M.J.), que com todo o seu charme, consegue imprimir uma química muito boa com Holland e nos faz realmente acreditar no romance de seus personagens.

Seguindo bem as estruturas já conhecidas dos longas da Marvel Studios, “Homem-Aranha: Longe de Casa”, é um filme muito divertido, que tem como base a mistura de vários gêneros cinematográficos o que faz com que o filme seja leve, engraçado (com ótimas piadas) e prenda a sua atenção nos momentos em que a ação rola solta e a adrenalina sobe, ao mesmo tempo que deixa nítido um a tentativa de fugir do lugar-comum e busca algo novo para os já acostumados olhos dos fãs.

*Obs: É melhor esperar até o final, pois o filme possui duas cenas pós-créditos!

Escrita por Yago Paes

Jornalista, publicitário e criador de conteúdo por prazer e pelas necessidades da vida adulta.

“A Pequena Sereia” | Halle Bailey é escolhida para interpretar Ariel

“Blow” e “Best Part Of Me” | Ed Sheeran lança parcerias com Bruno Mars, Chris Stapleton e Yebba; ouça!