Em carta aberta, Lady GaGa se posiciona sobre o caso R. Kelly

Lady GaGa finalmente se posicionou sobre seu relacionamento com o cantor de R&B R. Kelly e a polêmica envolvendo “Do What U Want“, parceria entre os cantores presente no álbum ARTPOP, de 2014. Em carta aberta publicada em suas redes sociais, a estrela de “A Star Is Born“, mostrou apoio as vítimas do cantor e anunciou que vai retirar a parceria dos dois de todas as plataformas de streamming.

R. Kelly ficou famoso nos anos 90, dono dos hits “I’m your Angel” e “I Believe I Can Fly“, o cantor foi acusado de estupro e pedofilia em 2002 mas nunca pagou pelos seus crimes pois foi absolvido em 2008. Novas acusações surgiram e no último dia 4 de Janeiro o canal Lifetime lançou o documentário “Surviving R. Kelly” com depoimentos de vítimas e famosos que conviveram como o cantor como John Legend e Chance The Rapper.

Lady GaGa foi chamada para participar do documentário e recusou falar, assim como muitos artistas que colaboraram com Kelly, como Céline Dion, Eryka Baduh e Jay-Z, mas a cantora foi a que mais sofreu críticas, levando em consideração seu posicionamento sobre o assunto – a GaGa revelou já ter sofrido abuso sexual quando mais nova e gravou a música “Till It Happens To You” para a trilha sonora do filme “The Hunting Ground” que fala sobre abusos sexuais em faculdades nos Estados Unidos.

Confira a carta e a tradução:

” Eu apoio essas mulheres 1000%”. Eu acredito nelas, sei que elas estão sofrendo e machucadas, e sinto fortemente que suas vozes precisam ser ouvidas e levadas a sério. O que eu estou ouvindo sobre R. Kelly é horrível e indefensável. Sendo eu vítima de abuso sexual eu fiz a canção e o vídeo durante uma época sombria na minha vida. Minha intenção era criar algo extremamente desafiador e provocativo, porque eu estava furiosa e ainda não tinha processado o trauma que ocorreu em minha vida. A canção se chama ‘Faça o que Quiser (Com o Meu Corpo)’, acho que isso deixa claro o quanto o meu pensamento estava perturbado na época. Se eu pudesse voltar no tempo e conversar com a versão mais jovem de mim mesma, eu diria para ela ir à terapia,para entender o estado pós-traumático em que estava. Eu não posso voltar no tempo, mas posso continuar apoiando homens, mulheres e pessoas de todas as identidades sexuais e etnias que sofreram assédio sexual. Eu estou dividindo isso com vocês não para inventar desculpas para mim mesma, mas para explicar. ‘Até acontecer com você, você não sabe como é'”, eu sei como eu me sinto agora. Eu pretendo tirar ‘Do What U Want’ do iTunes e dos serviços de streaming, e nunca mais trabalharei com ele novamente. Eu sinto muito, tanto pela minha decisão horrível quando era mais jovem, quanto por demorar tanto para falar sobre isso. Eu amo vocês.”