Entrevista: Mariana Fagundes fala sobre novo EP “Simbora Beber”, carreira e influências

Mariana Fagundes acaba de lançar o seu EP, “Simbora Beber”, que conta com quatro faixas. Uma das músicas, que tem o mesmo nome do EP, já tem um videoclipe no Youtube, com mais de meio milhão de acessos. O vídeo conta com a participação especial da Youtuber e dançarina Lorena Improta e da atriz Karla Alcantara.

A cantora nasceu em Aparecida do Taboado, no Mato Grosso do Sul, mas passou parte de sua infância e adolescência na cidade de Inocência, no mesmo estado. Aos oito anos de idade, a cantora já se apresentava em festivais nas arenas de rodeio da região em que morava. Passou grande parte de sua trajetória musical sob o comando de bandas, viajando por todo o Brasil e participando de programas nacionais.

Em 2015 gravou seu primeiro single “Agora Chora”, que logo em seguida virou tema do programa “Jogo Aberto”, da Band. No ano seguinte gravou a canção “É Só Me Chamar”, de sua composição, em parceria com a cantora Naiara Azevedo, cujo vídeo ultrapassou a marca de 18 milhões de views no YouTube.

Em 2017, Mariana regravou a canção, numa versão diferente da anterior, dessa vez a convite do cantor Xand Avião, tornando-se uma das músicas mais pedidas nas rádios do país e inserida nos repertórios de grandes artistas. No mesmo ano, aconteceu a gravação do seu primeiro DVD de carreira, “Mariana Fagundes – Ao Vivo em São Paulo”, que contou com as participações do cantor Léo Santana, além das duplas Thaeme & Thiago e Denis & Renan.

Em entrevista exclusiva ao Poltrona Vip, a cantora sertaneja contou detalhes do novo ep, confira abaixo:

Poltrona Vip: A música “Simbora Beber” foi lançada há menos de um mês atrás, e já tem meio milhão de acesso. Você achou que teria toda essa repercussão?

Mariana: Pois é, a gente tem que acreditar no  trabalho né? Achei sim. Fiquei esperando isso, estou esperando mais, quero que essa música alcance número extraordinários. Quero que dê certo, quero que a galera consuma esse produto, que a galera goste da música. Estou feliz demais com o resultado.

Poltrona Vip: A música “É só você me chamar” teve o total de 18 milhões de views no YouTube. Não só isso, tocou em muitas rádios e fez muito sucesso. A canção é de sua composição, qual a história dessa música? Você se inspirou em algo? Foi uma história que vivenciou?

Mariana: Pois é, foi assim ó: ‘’É só me chamar’’, eu tava tocando violão e de repente comecei a ouvir uma melodia que achei legal. Eu tinha acabado de compor ‘’Tô Ficando Louca’’, que é a música que eu lancei antes de ‘’É só me chamar’’. Um dia no YouTube fui ler alguns comentários sobre a nova música e um internauta comentou: “essa música de enfiar o chifre no chão e sair arrastando na terra”, e gostei desse comentário, achei muito moderninho e tal, eu gostei, pensei vou falar disso. Aí eu comecei a pensar uma maneira de abordar esse tema e resolvi falar de uma mulher que tá sofrendo, tá com um chifre tão grande que não tá passando de baixo da porta. Então foi nesse sentido que eu compus a música e graças a Deus deu certo. Eu sei que eu não sou uma cantora a nível nacional, não sou uma cantora estourada ainda, eu sei o lugar que eu ocupo neste Brasil hoje, é pequeno, mas eu tenho certeza que com a fé que eu tenho em Deus e com o trabalho muito firme, muito árduo, com muito compromisso, muita responsabilidade que eu venho fazendo eu tenho tudo para um hora conquistar uma coisa maior. ‘’É Só Me Chamar’’ trouxe esses milhões de acessos, para mim é um número muito relevante, fico muito feliz com isso, mas sei que ainda é pouco, eu quero mais.

Poltrona Vip: E como surgiu a parceria com a Nayara Azevedo nessa música?

Mariana: Então, A Nayara ela já tocava alí no interior, sabe? As mesmas regiões que eu cantava, ela já cantava e lógico que ela estava numa fase melhor da carreira dela, melhor que a minha, eu digo. E a gente se encontrava em alguns eventos e acabamos criando uma amizade. Quando ela estourou com a música “50 reais”, encontrei ela em um evento e pedi a sua ajuda: “ Nayara, você estourou e precisa me ajudar agora. Me ajuda aí, me mostra pra essa galera que está te conhecendo agora”, e ela com o maior carinho do mundo aceitou. A Nayara me ajuda muito e me ajuda até hoje, eu lancei a ‘’Simbora Beber’’ e ela postou nas redes sociais. Tudo que eu preciso ela me ajuda, é uma amiga, uma companheira que eu tenho assim no meio.

Poltrona Vip: Para a criação desse novo EP que foi lançado recentemente, você ouviu só sertanejo como referência ou você se inspirou em algum outro ritmo ?

Mariana: Eu vim de banda baile, eu entrei em banda baile com 13 anos, então, eu sempre aprendi a escutar de tudo. Eu sou eclética, escuto rock, escuto POP, escuto MPB, escuto Gospel, inclusive é o que eu mais escuto hoje, faz bem demais. Então assim, essa Mariana aqui é uma mistura de um pouquinho de tudo, sabe? Claro, não esquecendo do Sertanejo, que é de onde eu vim. O sertanejo é muito forte no Mato Grosso do Sul e graças a Deus dominou o país inteiro, mas de onde eu vim sempre tocou muito sertanejo, sabe? Eu ouvi um pouquinho de tudo e chegou nessa Mariana aqui.

Poltrona Vip: Atualmente as mulheres são presentes no sertanejo, mas sabemos que é uma minoria, infelizmente. Você acredita que futuramente, consegue contribuir para o aumento de mulheres dentro do sertanejo?

Mariana: Amém. Eu não tenho muito isso, é óbvio que nós mulheres passamos por essa fase de preconceito sim. O sertanejo totalmente dominado por homens, só se ouvia voz masculina. Para começar do princípio, são duas voz, dois homens. Até por exemplo a Paula Fernandes chegar, quebrar essa barreira, uma mulher cantando sozinha: sem dupla, sem homem, foi complicado. Eu acredito que a música ela ultrapassa todas essas barreiras,todos esses preconceitos. Se a música é boa, se a música conversa com o pessoal, é uma música é o que o povo quer ouvir, se tem aquela energia, enfim, eu acho que ultrapassa tudo isso. Graças a Deus essa mulherada tem muita qualidade, muita competência, né? Então elas chegaram metendo o pé na porta aí e deixaram o recado, deixaram o nome. E eu tenho muita responsabilidade, porque eu pra seguir esse caminho delas e dar continuidade nisso que elas estão fazendo. Todas as mulheres que são sucesso, são muito boas, são boas na composição, exemplo: Maiara e Maraisa eram compositoras de outros artistas, a Marília Mendonça era compositora de outros artistas. Elas são muito boas então, eu preciso fazer um trabalho muito legal, não pra concorrer com elas, mas pra merecer tá alí junto com elas, sabe?

Poltrona Vip: Quando passamos por uma situação difícil, por exemplo, um término de relacionamento, a primeira coisa que passa pela cabeça acho que de todo mundo é ouvir um sertanejo e sofrer. Não sei se você já passou por esse tipo de situação, mas quando você está na sofrência,  também ouve sertanejo? Escuta sua próprias músicas?

Mariana: Sim. Escuto sim. Pois é, o sertanejo tem de tudo né. Tem o sertanejo balada, que você escuta alí já a pré-festa, já coloca dentro do carro e vai escutando. E tem aquele sertanejo que hoje eu vou chorar, eu quero ouvir uma Marília, uma Mariana Fagundes, sabe? Então, enfim, tem pra tudo né? Eu acho que no sertanejo não tem preconceito hoje, graças a Deus. O sertanejo canta com vários segmentos, canta com o Funk, canta com o Axé, canta com o POP, canta com o Rock, entendeu? Então tem letra para todos os momentos no sertanejo.

Poltrona Vip: Tem alguém que você quer fazer uma parceria musical?

Mariana: Ivete Sangalo, minha maior referência. Eu acho ela incrível em tudo. O jeito que ela lida com os fãs, o jeito que ela conversa no palco. Essa proximidade que ela tem com as pessoas, esse carisma, simpatia, humildade dela, ela é a maior do Brasil e ela se coloca como um ser humano igual a gente. Sim, eu acho a Ivete Sangalo a the best para mim e a Marília Mendonça, falando de sertanejo. A Marília mendonça também pra mim ela é, nossa, maravilhosa. eu amo ela. São duas parcerias assim que eu acho que me sentiria realizada.  

Poltrona Vip: Você veio de uma família de artistas e começou desde nova a cantar. Isso começou por uma pressão da família ou veio de você naturalmente?

Mariana: Com um ano de idade, um pouquinho mais de um ano de idade a minha mãe gravo eu cantando a musiquinha “Se Essa Rua”, eu já apresentei esse dom desde cedo, esse talento pra música, então minha mãe gosta disso, meu pai gosta, minha família inteira gosta da música. O pessoal que trabalha comigo é um ambiente totalmente familiar. As minhas referências foi totalmente na família e não foi nada pressionado não. Eu quis, eu gostei demais. Eu amo, isso aqui é o maior amor da minha vida. Independente de qualquer coisa, se eu vou fazer sucesso, se eu vou ser a maior do Brasil, se eu vou ser a do meio, se eu vou chegar, se eu não vou chegar, eu vou está em cima do palco é o grande amor da minha vida, mais do que tudo. Quando eu entro dentro do palco, eu me transformo, parece uma dupla personalidade, é outra pessoa.Eu agradeço demais por ter vindo dessa família, talentosa, graças a Deus, que me impulsiona, me incentiva. Eu aproveitei isso tudo e falei: “quero ser como eles, vou dar sequência no que eles já começaram”.

Poltrona Vip:  Você citou que quando você entra no palco, meio que se transforma, vira outra pessoa. Tem algum ritual antes? Alguma coisa, por exemplo: “se eu não fizer isso eu não entro no palco”?

Mariana: Não, eu gosto de fazer uma oração sempre. A gente faz uma oração com toda a equipe antes de começar o show. Agradecer a Deus mesmo, “ó senhor, vamo lá, eu preciso do senhor, me ajuda. Me empresta um pouquinho do seu brilho. Me deixa brilhar um pouquinho aí. Me deixa levar alegria pra esse povo. Me deixa alegrar eles, me deixa fazer eles saírem daqui melhor do que eles chegaram.” Sempre faço uma oração antes. Quando tá muito apertado, muito rápido eu só faço o sinal da cruz e falo: “vamo comigo, Senhor e vou pra cima”.

Poltrona Vip: Você tem alguma inspiração? Alguém que você se inspirou desde que você começou sua carreira na música?

Mariana: Claro, a Ivete. Ela é minha maior inspiração como cantora. É a pessoa que eu sempre olhei e falei “caraca, eu quero ser conhecida como ela”.

Poltrona Vip:  Atualmente você tem uma agenda de show bem corrida, mas quando você tem um tempo livre, qual o seu hobby, fora a música?

Mariana: Comer. Eu gosto de comer. Eu saio de casa pra comer. Eu quero ir no shopping comer. Eu quero comer. Não, mas é sério, eu gosto de ficar muito em internet. Quando eu não estou trabalhando, estou na internet, quando eu não estou na internet, eu estou comendo. Essa é a Mariana. Aí povo fala ‘’aí eu gosto de musculação, eu gosto de academia, eu gosto de ir no shopping’’. Eu não gosto de academia de jeito nenhum. Eu pulo fora da academia, eu sei que é muito importante para mim e até uma vez na semana eu dou uma aparecida alí na academia, mas não é uma coisa que eu gosto, não é um hobby que eu gosto. Quando entra um dinheirinho na conta, eu adoro fazer uma comprinha, ir no shopping comprar um negócio novo.

Poltrona Vip: Você tem uma relação boa com os seus fãs?

Mariana: Muito boa. Muito boa. Disso tudo eu acho que não tinha dimensão deste amor assim, sabe? Não tinha noção do quanto isso é incrível para minha carreira. É um amor tão grande. As vezes eu penso que eles desejam até mais que eu. Fazem tudo por mim, mesmo, tudo. Qualquer votação que tem eles tão ali. Eu posto uma foto estão todos lá, postando e incentivando. Lançou uma música nova, estão compartilhando com todo mundo. E eu converso com eles, eu falo com eles. Tem fãs que são de dentro da minha casa. Por exemplo: eu vou comemorar o Natal, tem fãs que vai na minha festa de Natal. Tem fãs que eu coloco dentro do meu ônibus pra ir viajar comigo. Tem fãs da Bahia, a Paty por exemplo é de um fã clube de Jequié. Eu falei: “Paty, onde você tá? Então você arruma as suas coisas e vamos no show”. E ela foi comigo para o show e ficou no meu quarto do hotel, assistindo tudo que eu estava fazendo. Eu busco muito isso. Meus fãs são muito próximos de mim. Eu acho lindo quando eles mandam mensagens positivas e agradecendo por tudo.

Poltrona Vip: Tem alguma história de fã que fez alguma loucura?

Mariana: Em Minas Gerais, invadiram o hotel, tentaram quebrar as janelas. Fiquei doida. Aí depois, na hora que eu vi que eles queriam um abraço, eu não sabia se eu brigava com eles ou se eu agradecia, mas no fim dei um abraço em cada um. Eles são meus amigos, eles não enchem o saco. Hoje eu não tenho fã que enche o saco, sei que tem alguns fãs aí que são meio fanáticos, isso é complicado. Mas fã é fã, a gente tem que entender, tem que retribuir isso aí que eles fazem por nós. Eles são meus amigos, assim, do meu coração, de verdade.

Poltrona Vip: Recentemente você fez um post no Instagram, contando  que quando você tinha 13 anos teve seu primeiro contato com os palcos, viu as luzes, ficou encantada e decidiu que queria aquilo para sua vida. Se você pudesse voltar um dia no tempo e conversar com aquela Mariana de 12/13 anos você falaria algo em especial?

Mariana: Parabéns. Você foi foda. Você trabalhou bastante, você ralou. Não, to zuando, vamos falar sério agora. Eu acho que Deus, quando eu falo que eu escuto música gospel é muito de verdade, eu tenho essa conexão, eu tenho essa aproximação. O pouco que eu conquistei na minha carreira foi muito suado, muito sofrido mesmo, mas eu passei por coisa que assim, você não tem ideia do que eu passei pra chegar aqui, muita dificuldades mesmo. Então, quando eu falei parabéns brincando de uma certa forma é, tipo assim, eu tenho orgulho da minha garra, de não ter desistido. Teve uma fase, quando eu vim pra SP, a gente veio com a minha mãe, todo mundo morava no mesmo apartamento e eu limpava a casa para todo mundo, eu cozinhava para todo mundo. Ninguém ganhava nada, eu não to fazendo pra comover, pra sensacionalismo, são coisas da minha vida, que já aconteceu mesmo, de olhar e não ter nada, nada. Leva um colchão e uma televisão do primo que tinha falecido e ir embora. E, cara, olhar assim numa caixa de papelão que era onde ficavam as coisas de comida que a gente comprava, um comprava um pouco, outro comprava um pouco e não ter nada e se desespera. E agora? O que eu vou fazer, não tem nem o que comer. E ir atrás, trabalhar e correr atrás da coisas. Hoje eu tô toda montadinha, bonitinha aqui, mas por trás tem uma menina muito guerreira. Já sofri demais, entendeu? Então esse parabéns que eu falei é por não ter desistido, ter sido guerreira, porque eu já passei por muitas dificuldades para chegar até aqui.