in

Entrevista | Michel Teló lança o “Churrasco do Teló”: ‘Me identifico muito com músicas que grudam na cabeça’

Imagem: Reprodução/YouTube

Um grande churrasco com família, amigos e muita música sertaneja: é essa a atmosfera que Michel Teló quer criar em seu novo projeto, o “Churrasco do Teló”. A primeira edição, o “EP Quintal”, chega nas plataformas digitais hoje e apresenta seis faixas inéditas. 

O “Churrasco do Teló” é um show intimista que Michel realiza por resorts ao redor do país desde o ano passado. Com o sucesso do evento, o sertanejo resolveu fazer um registro do formato. As gravações resultarão em três EPs com diferentes conceitos, mas voltados ao clima do churrasco. 

Além do lançamento musical, Michel Teló terá um segundo semestre movimentado na televisão. Pelo quinto ano consecutivo, ele compõe a bancada de técnicos do “The Voice Brasil”, da Rede Globo, onde vence invictamente desde que entrou. Além disso, o artista grava a nova temporada do “Bem Sertanejo”, quadro exibido pelo “Fantástico”, na mesma emissora. 

O Poltrona Vip conversou com Michel Teló por telefone, onde ele revelou estar muito empolgado com o lançamento. Nessa entrevista, o cantor explica sobre o “Churrasco do Teló”, fala de música sertaneja e revela detalhes dos novos projetos.

Poltrona Vip: Você lança agora o EP “Churrasco do Teló”. Conta pra gente um pouquinho mais desse novo projeto! 

Michel Teló: Churrasco é algo que eu faço desde que eu me entendo por gente. A gente reúne os amigos e a família naquele dia de folga para fazer um churrasco, tocar umas modas e prosear. Até hoje, quando tenho folga, eu acendo a churrasqueira e reúno a minha turma para fazer um churrasco e cantar. Então, surgiu a ideia do evento “Churrasco do Teló”, um churrasco bem grande com meus fãs, meus amigos e a galera que curte meu trabalho. A gente realiza esse evento em resorts. A galera fecha pacotes e passa um fim de semana com churrasco de primeira linha, com os melhores churrasqueiros, e eu faço um show mais intimista e diferenciado para o evento. Vira uma festa de família. É um clima muito gostoso. Fizemos outras edições e vimos que tínhamos que registrar isto. Filmamos em junho a primeira edição que resultou no primeiro de três EPs. O segundo sai no final do ano e o terceiro no ano que vem. 

PVIP: O “Churrasco do Teló” é o primeiro EP da sua carreira. Por que você optou pelo formato compacto ao invés de um trabalho completo?

MT: Gravamos o primeiro EP em um clima noturno, no Quintal DeBetti, em São Paulo. O nome do primeiro volume é “Edição Quintal”. No próximo, queremos fazer com esse conceito de churrasco de domingão, de dia, com a família e a galera reunida. Cada EP terá um conceito diferente. Por isso, dividimos em etapas. 

+ OUÇA: Michel Teló fala sobre a diversidade de gêneros que engloba a música sertaneja

PVIP: Dentre as 6 faixas, “Casal Modão” foi a eleita para single principal. Por que da escolha? É uma canção autobiográfica? 

MT: (risos). Dentro da música sertaneja, modão é quando a música é boa. Então, quando a gente arruma uma pessoa parceira, que dá certo, é um casal modão. Eu estou com o arranjo dessa música pronto desde novembro do ano passado, porque eu estou ouvindo e escolhendo o repertório desde esse período. Na gravação, a música me surpreendeu muito. A galera curtiu! E todo mundo acaba cantando. Tem um monte de gente solteira que canta e se diverte. Eu me identifico muito com essas músicas com um refrão que gruda na cabeça. Eu sempre tive essa especialidade de fazer moda assim. É uma música alegre, de festa. Era justamente o que eu estava buscando para este projeto. Realmente, tem a ver com esse momento que eu estou vivendo desde quando eu e Thais (Fersoza, atriz e esposa de Teló desde 2014) nos conhecemos. A nossa família foi crescendo, então, é um momento muito especial. 

PVIP: As gravações dos próximos EPs já aconteceram? 

MT: Já temos algumas edições do evento marcadas para este ano. Tem “Churrasco do Teló” confirmado em Itu, Caldas Novas, Caeté e Foz do Iguaçu. A ideia é fazer um por mês em algum resort do país. Estamos muito animados com o projeto. Vou fazer as gravações no segundo semestre durante este percurso. Estou produzindo, mas está uma loucura. É o The Voice, é o Bem Sertanejo, são os shows no fim de semana. Nessas edições, vamos gravar os próximos EPs. 

+ OUÇA: Michel Teló conta detalhes da nova temporada do “Bem Sertanejo”, quadro do Fantástico

PVIP: Além de música sertaneja, que tipo de música toca no seu churrasco?

MT: As modas sertanejas são predominantes. Gosto muito de Almir Sater. Há alguns dias, eu estava ouvindo músicas do tempo em que eu tocava em bailes de Campo Grande. A predominância é sertanejo, mas eu ouço de tudo. Tem dia que você quer ouvir folk, nos dias em que você está mais de boa, liga um John Mayer, liga música eletrônica. Depende do dia e da vibe. 

PVIP: “Ai Se Eu Te Pego” completou 8 anos de lançamento este ano e o single foi um divisor de águas para a música brasileira. Quais as principais diferenças que você enxerga entre o mercado de hoje e o mercado de 8 anos atrás?  

MT: De lá pra cá, muita coisa mudou realmente. As grandes gravadoras utilizaram “Ai Se Eu Te Pego” como molde de como o mercado iria se comportar. Foi uma música em português que tocou no mundo inteiro através de um grande viral. Não foi investimento de uma gravadora. As pessoas foram na internet buscar a música. É o poder da internet e desse novo momento da música digital. A acessibilidade cresceu muito. Hoje, são milhões de visualizações em uma música que toca só aqui no Brasil. A indústria fonográfica está trabalhando cada vez mais forte no digital. Inclusive, os streamings salvaram a indústria fonográfica. Voltou a ser um negócio multimilionário. Realmente, acho que “Ai Se Eu Te Pego” foi um divisor de águas. Logo após, veio “Gangnam Style”, uma música sul-coreana que tocou conta do mundo. Aí você pega também “Despacito”, uma música cantada em espanhol. Com a era digital, a música está muito mais globalizada.

PVIP: É uma globalização real mesmo. Hoje, não são apenas os Estados Unidos que ditam as modas mundiais. A internet colocou a América Latina e a Ásia nesse percurso de emplacar hits.

MT: Exatamente. Acho que a internet deu voz às pessoas. Se a galera comprar a ideia, eles vão ouvir aquela música e buscar na internet. Foi como “Ai Se Eu Te Pego”, um vírus que vai tomando conta. O Cristiano Ronaldo dançou a música e no outro dia já estava tocando em todas as baladas de Espanha e Portugal. Aí foi tomando conta da Europa inteira. Uma coisa surreal esse novo momento da música no mundo e eu tive a alegria de fazer parte. 

PVIP: A nova temporada do The Voice Brasil está prestes a começar. Já pode adiantar um pouquinho sobre o novo Time Teló? 

MT: É sempre um desafio muito grande montar um time legal. A temporada está muito forte com grandes cantores. Eu sempre tive um time mais sertanejo, mas já ganhei três vezes com cantores pop. Só ganhei com sertanejo no ano passado. Nesse ano, estou feliz porque estou com um time bem eclético, com vários estilos que eu gosto de trabalhar. A temporada promete demais! Mantém aquela qualidade incrível do “The Voice Brasil”. É uma produção sensacional. 

PVIP: Você pretende lançar uma versão física do “Churrasco do Teló” ou é um projeto voltado apenas para as plataformas digitais? 

MT: Quem sabe quando a gente finalizar essa trilogia a gente junta tudo e faz um físico! 

Escrita por Matheus Queiroz

Jornalista e amante de cultura pop.

Pabllo Vittar e Charli XCX lançam clipe de “Flash Pose”; vem assistir!

“NAIVE” | Andy Grammer lança quarto álbum de estúdio; confira!