Green Day realiza o primeiro show da “Revolution Radio Tour” no Brasil e mostra que a banda está mais viva que nunca

Após sua última vinda ao Brasil em 2010, Green Day subiu ao palco do Jeunesse Arena, no Rio de Janeiro, nesta quarta (1) para apresentar o primeiro show da “Revolution Radio Tour” na América do Sul, que ainda tem shows marcados em São Paulo (3), Curitiba (5) e Porto Alegre (11). A turnê que começou em setembro de 2016 e conta com uma setlist bem extensa. Para você ter ideia, o show teve duração de 2:30h e reuniu tanto sucessos do novo álbum, quanto dos antigos. Mais que um show, acredito este foi um tributo aos 30 anos da banda e uma homenagem a todos aqueles que os acompanharam por tanto tempo, seus fãs. Um espetáculo impecável com uma setlist maravilhosa misturados com a presença de palco da banda. Juntando todos os aspectos o resultado não poderia ser outro: Uma noite memorável e talvez o melhor show que o Brasil teve em 2017. 

Não temos como começar a falar do show do Green Day sem antes falar da banda que abriu a noite, a The Interrupters. Que show! Com uma energia muito boa a banda soube bem levantar o público e preparar o terreno pro show principal. Muito carismáticos, a banda tocou faixas como “Take Back the Power”, “She Got Arrested” e a que fez a galera cantar junto “Family”.

Terminado o show da The Interrupters era a hora de receber o Green Day, mas antes o Drunk Bunny deu as caras para agitar e jogar miniaturas de si para a plateia. Após o Bunny deixar o palco, os rapazes iniciaram o show com “Know Your Enemy” e um fã foi convidado para cantar com a banda. Mas, não era só ficar ali juntinho do Billie, parado e cantando. O fã podia fazer do show o seu show e se soltar. Em “Longview” a banda repetiu a dose e convidou outro fã. Me arrisco a dizer que o menino tinha mais presença de palco que muito artista consagrado. Os fãs corriam, interagiam com a banda, pulavam e sabem como desciam do palco? Com o famoso crowd surfing.

Um grande destaque no quesito performance foi a música que dá nome ao álbum e à turnê, a faixa “Revolution Radio”, em que a banda apresentou a música levando todos à loucura. Neste momento alguns dos efeitos mais legais aconteceram, como a troca de painel para o de um rádio pegando fogo (capa do último álbum da banda) e, literalmente, muito fogo no palco. Em “Boulevard of Broken Dreams” mais uma surpresa, mas não para o público e sim para a banda. Ao tocar apenas a introdução da música, a plateia seguiu a música cantando todos num coro que fez até com que Billie se emocionasse e até arriscasse um português. Confira:

Uma publicação compartilhada por Otavio Pinheiro (@itstavio) em

Se você quer outro momento memorável, aqui vai mais um. Em determinado momento do show, para ser mais específico na música “Knowledge”, a banda toca um pedaço da música e depois procura algum fã que toque guitarra. Sara sobe ao palco, Billie fica no cantinho conversando com a menina enquanto a banda segue com um instrumental. O vocalista ensina pra ela os acordes, que facilmente aprende. Ele tira a guitarra do pescoço, coloca no de Sara e eles dão continuidade na música. No fim, Billie, para a felicidade de Sara, diz que ela poderia ficar com a guitarra. A garota vai no show sobe no palco e ainda leva uma guitarra pra casa! Uma sortuda mesmo!

Outro momento muito divertido foi quando a banda resolveu deixar as coisas mais, como posso dizer… Brasileiras. Tudo começou quando a banda, após uma breve saída do palco, voltou usando alguns acessórios. A melhor fantasia pra mim foi a do baterista, o Tré Cool, que estava usando um assessório na cabeça que se assemelhava muito com os que as passistas usam no Carnaval. Durante a faixa “King for a Day” rolou um cover de nada mais nada menos que “Garota de Ipanema”, do Tom Jobim, toda no sax. Nesse momento do show foi realmente só diversão. A banda fez alguns outros covers, como “Shout”, do The Isley Brothers, “(I Can’t Get No) Satisfaction” do The Rolling Stones e “Hey Jude” do The Beatles. Eu nunca mais vou escutar Hey Jude sem lembrar do Green Day e aquela multidão cantando junto. Foi muito lindo.

A banda seguiu cantando mais alguns sucessos até que aconteceu o típico bis. Aquele momento em que o artista sai do palco, finge que acabou o show, mas volta e toca mais algumas músicas. O que não esperávamos era que a música que viria a seguir seria “American Idiot” (que é a minha favorita, só pra constar!). E é interessante ver como a música se mantém atual, como o que foi composto há anos pode fazer muito sentido ainda hoje. A música que seguiu foi “Jesus Of Suburbia”, outro grande sucesso do álbum vencedor de um Grammy de Melhor Álbum de Rock, o “American Idiot” (2004).

 

Ainda estamos eufóricos com o show do Green Day!

A Jeunesse Arena ficou repleta de fãs que vibraram com muitos hits da banda norte-americana.

Confira um dos pontos altos desse show: “American Idiot”!

Demais!

Publicado por Jeunesse Arena em Quinta-feira, 2 de novembro de 2017

 

Além da setlist de mais de 20 músicas a banda apresentou um show cheio de efeitos especiais, como muitas labaredas de fogo, faíscas, fumaça, jogo de luzes e explosões. Com muito carisma, energia e presença de palco, o Green Day mostrou o porquê de ser uma banda tão amada pelo público. Acreditamos a experiência de um show deve ser única e memorável e a banda conseguiu o feito. Falo por todos quando digo que Green Day nem saiu do Brasil ainda e já queremos que eles voltem logo.

Confira a setlist do show.