Maju Trindade, Marcelo Tas e Ziraldo marcam presença no segundo dia de Bienal do Livro

0
58

Nesta sexta-feira (1), segundo dia de Bienal do Livro, as emoções continuaram a mil. A Arena #SemFiltro recebeu os influenciadores digitais Maju Trindade, Julia Faria e Arlindo Grund na sua primeira sessão e o tema da discussão foi moda. Já a segunda sessão da área recebeu o professor Mario Sergio Cortella e o jornalista Marcelo Tas, que assinam o livro “Basta de Cidadania obscena!”, para falar sobre cidadania em tempos de redes sociais. O “Encontro com os autores” contou com a presença de Ziraldo, que participa da Bienal do Rio desde sua primeira edição.

Confira alguns destaques do dia:

Encontro Internacional de Profissionais do Livro

A segunda edição do Encontro Internacional de Profissionais do Livro foi especial para o mercado digital, principal assunto debatido nas mesas deste ano. Marcos Pereira, presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL), frisou que o livro digital não é uma ameaça para o físico. Já Carlo Carrenho, fundador e CEO do PublishNews, responsável pela curadoria do encontro deste ano, afirmou que o digital precisa ser encarado como a grande oportunidade do mercado.

A acessibilidade e experiências internacionais também foram assuntos tratados no encontro. Sandra Schüssel, da Feira do Livro de Frankfurt, trouxe a experiência da Alemanha e seu mundo literário. Miguel Martins, da Porto Editora, veio de Portugal e expôs o panorama do mercado global de livros em português.

No encerramento do encontro foi realizada a entrega do prêmio Jovens Talentos 2017. Gustavo Lembert, do clube de assinatura de livros, a TAG – Experiências Literárias, foi o premiado com uma viagem para Frankfurt.

Arena #SemFiltro

O espaço reuniu o maior público do dia. O primeiro bate-papo foi mediado pela jornalista Maria Prata e comandou as perguntas aos influenciadores digitais Maju Trindade, Julia Faria e Arlindo Grund. Os três são autores de livros recém-lançados e falaram sobre suas experiências com as publicações e com os seguidores das suas redes sociais. “Estou muito realizada em estar aqui lançando meu livro junto a autores tão importantes. Falar sobre uma coisa que eu amo fazer que é moda, não é um trabalho, é um prazer e, junto aos meus fãs, é ainda mais incrível”, disse Maju.

A segunda sessão do dia reuniu os escritores do livro “Basta de Cidadania obscena!”, o professor Mario Sergio Cortella e o jornalista Marcelo Tas. O tema do bate-papo mediado pelo ator Lucas Salles foi a cidadania em tempos de redes sociais. Ambos defenderam a importância da democracia, da liberdade de expressão e da diversidade de ideias. “A diferença entre um democrata e um saudoso da ditadura é que numa ditadura eu não poderia dizer o que estou dizendo agora. Já numa democracia um ditador pode aparecer e dizer o que pensa”, resumiu Cortella. Para Marcelo Tas, o limite da liberdade já está definido pela lei. “Se um deputado defende ideias racistas e diz que não cometeria um estupro por causa feiura da vítima, está claro que os limites foram passados”, finalizou Tas.

Café Literário – A poesia de Ferreira Gullar e Feminismo Hoje

O primeiro encontro do dia homenageou a um grande nome da literatura brasileira, o poeta Ferreira Gullar. O mediado por Cristiane Costa, reuniu Antônio Carlos Secchin e Geraldo Carneiro para falarem sobre suas experiências pessoais com Gullar. “Ferreira Gullar, um dos nomes mais importantes da poesia brasileira, tinha em seus poemas o amor pelo Rio e a esperança de mudar o Brasil para melhor”, disse Secchin.

O segundo encontro tratou de um assunto bastante atual: o feminismo. A jornalista Marina Gonçalves foi responsável por mediar o bate-papo entre as escritoras e roteiristas Giovana Madalosso, Ana Paula Maia e Antônia Pellegrino, que falaram sobre as dificuldades e as mudanças nas obras na literatura assinadas por mulheres. “O feminismo chegou para encorajar as mulheres a falarem sobre temas antes proibidos e que eram reprimidos. Hoje mulheres podem falar sobre tudo e não apenas nos livros, mas também nas redes sociais que são aliadas importantíssimas nesta luta pela igualdade”, disse Antônia.

Ziraldo – no Encontro com autores

Ziraldo, que não perde uma Bienal desde a primeira edição em 1983, marcou presença no “Encontro com Autores”. Sempre divertido, o escritor falou do que o inspira para escrever: “Para quem é contador de histórias, tudo é curioso e chama atenção. Em meu livro ‘Vovó Delícia’, por exemplo, me inspirei numa linda vovó motoqueira que avistei na rua e resolvi homenagear as vovós da atualidade, que esbanjam beleza”, brincou Ziraldo. No final do encontro, a plateia cantou parabéns para o autor que fará 85 anos no próximo mês. “Isso para mim é uma verdadeira festa! Por isso não perco uma Bienal”, concluiu o escritor.

Geek & Quadrinhos

Pela manhã, a “Batalha Ilustrada”, com mediação de Estevão Ribeiro, e participação dos ilustradores Paulo Marcio e Felipe Campos, foi o destaque. Na primeira sessão o tema escolhido foi “Sete Pecados Capitais”. Ira foi o “pecado” eleito, que deu vida a Joel, um homem raivoso que arranca os cabelos porque não recebe o salário. Pela tarde, o espaço recebeu diversas oficinas e jogos de perguntas e respostas, além de mais duas sessões da “Batalha Ilustrada”.

O evento acontece até o dia 10 de setembro, no Riocentro. Para mais informações clique aqui.