Muito esperado pelo público, Liga da Justiça traz diálogos engraçados e cenas de luta incríveis | Crítica

0
27

Um dos filmes mais aguardados pelos fãs de super heróis, a “Liga da Justiça”, chega aos cinemas nesta quarta-feira (15). O longa traz uma vibe de ação com um pouco de humor que só acrescentou à produção e tornou-a ainda mais incrível. “Liga da Justiça” é dirigido por Zack Snyder, com roteiro de Chris Terrio e protagonizado por Gal Gadot como Mulher Maravilha, Ezra Miller como Flash, Jason Momoa como Aquaman, Henry Cavill como Superman, Ben Affleck como Batman, Amy Adams como Lois Lane, Ray Fisher como Cyborg.

Após a morte de Superman, Batman precisa reunir forças para lutar contra uma grande ameaça que se aproxima. Então, ele encontra um grupo de heróis – e alguns que nem sabiam que poderiam ser heróis um dia – para ajudá-lo nessa missão. Daí formou a Liga da Justiça. Uma coisa que me chamou muito a atenção no longa foi a construção dos personagens preservando as suas origens e a vida pessoal, a humanização dos heróis. O filme mostra personagens trabalhando lado-a-lado com a polícia, amados pelo público e mais, eles tem problemas pessoais e que são retratados no filme no meio de tanta luta.

O enredo é muito bem escrito de maneira que faz com que todos os personagens tenham a sua fatia do bolo, seu momento de brilhar. Ele também é cheio de ação e muito humor, porém tanto humor não consegue transformar o filme num longa de comédia. Todas as cenas e diálogos cômicos foram apenas um plus e ao que parece caiu no gosto do público que estava presente. Quanto às cenas de ação, a primeira maior cena do filme foi sem dúvidas da Mulher Maravilha salvando um grupo de pessoas dos bandidos. Uma luta energizante e a interpretação impecável de Gal Gabot da heroína fizeram a cena ser uma das melhores.

Um aspecto que também chama muito a atenção são os efeitos e fotografia, que foram todos muito bem feitos. Os locais escolhidos para filmar, luz, ambientação e entre outras coisas estava tudo muito bonito. Outra coisa que o filme tem de melhor é a trilha sonora. Muitas vezes uma música de fundo tem um impacto maior para quem assiste que um diálogo. Me recordo bem de uma cena em que a cidade estava um caos e a criminalidade em alta até que ao fundo toca a faixa “Everybody Knows” interpretada por Sigrid para a trilha sonora do filme. Você pode sentir o desespero e tristeza das pessoas só de assistir a cena.

A luta final, o momento de mais tensão do filme, é tão maravilhoso como deveria ser ou até mais. O Lobo da Estepe (Ciarán Hinds), grande vilão do longa, é mais forte e poderoso que todos os heróis juntos. Literalmente. Não tem Mulher Maravilha, Aquaman ou Batman e seus assessórios que consigam parar o personagem. Há apenas um herói que unido à liga nos momentos finais do filme conseguiu “dar fim no vilão”.

O filme acaba com as coisas voltando aos seus devidos lugares, cada personagem no seu núcleo fazendo suas próprias coisas até que aparece Bruce Wayne e Diana escolhendo o local para a sede da “Liga da Justiça”. Há um diálogo entre os dois que dá muita margem para uma sequência e que quando vier fará tanto sucesso quanto este primeiro filme.

Não importa a produção, os fãs sempre esperam cenas pós créditos. Desta vez são duas. Sem muitos spoilers, a primeira mostra Flash e Superman fazendo uma corrida para ver quem é o mais rápido. Já a segunda, a mais importante entre as duas cenas, mostra um grande vilão da DC Comics recebendo outro vilão num iate. A cena pode ser interpretada de muitas formas. Alguns dizem que pode ser uma dica de que a DC está pretendendo fazer o filme da Liga dos Vilões, outros acreditam ser um gancho para o novo filme do Batman que teria o tal personagem como antagonista ou até mesmo um filme solo do vilão. Porém, como a agenda da DC está lotada, fica difícil de presumir algo.