Paul McCartney vai às ruas estadunidenses em protesto contra o armamento

Paul McCartney, ex-integrante dos Beatles que revolucionou o Rock mundial, compareceu à uma manifestação em Nova Iorque. O cantor participou do protesto que fez parte do “March For Our Lives” no último sábado (24). A marcha foi uma das diversas iniciativas dos norte-americanos desde o recente atentado na escola Marjory Stoneman Douglas. O tiroteio deixou 17 estudantes da Flórida feridos.

Os movimentos começaram por parte dos alunos e professores do país com um discurso anti-armas. Essa luta estudantil também clama por uma maior rigidez no controle do armamento e mobilização dos parlamentares. No mesmo dia em que Paul estava em Nova Iorque, George e Amal Clooney financiaram o ato da capital Washington em 500 mil dólares. Além desses artistas, outros como a apresentadora Oprah Winfrey ajudaram os custos de um protesto marcado para o mesmo local no mês que vem.

Além dessas cidades, a mídia local noticiou manifestações em outras regiões, como no Tennessee e em Minnesota. O ex-Beatle relembrou do seu amigo e companheiro de banda assassinado a tiros como o motivo pessoal para estar participando dessa marcha nova iorquina. Com os dizeres “nós podemos acabar com a violência armada” na camisa, Paul lamentou o ocorrido com John Lennon, morto por Mark Chapman. O fã da banda disparou cinco tiros de uma pistola calibre 38 em Nova Iorque. Em entrevista à CNN no protesto, Paul McCartney declarou “Um dos meus melhores amigos foi assassinado por violência armada bem aqui perto, então isso é importante pra mim”.