RezendeEvil e Giovanna Chaves marcam presença na Arena #SemFiltro da Bienal do Livro Rio

0
60

Nesta quarta-feira (06) a Arena #SemFiltro na XVIII Bienal Internacional o Livro Rio foi palco de debates muito interessantes sobre o assunto mundo virtual. Quem estava presente no bate papo foi o Pedro Afonso, o famoso RezendeEvil do Youtube. Já no Café literário o assunto foi o grande papel da televisão no acesso de obras literárias. A Bienal do Livro acontece até o dia 10 de Setembro. Para mais informações clique aqui.

Mundo digital conquista o público com os debates desta quarta-feira

A Arena #SemFiltro recebeu o youtuber RezendeEvil para um bate-papo que mexeu com os fãs do jovem famoso pelos vídeos de Minecraft. Pedro Afonso, o nome verdadeiro de RezendeEvil, disse que tentou ser jogador de futebol, chegou a  jogar futsal na Itália, mas a paixão pelo game falou mais alto. Mesmo atuando intensamente no digital, o jovem disse que tem grande sedução em escrever livros. “Vejo que os livros dão liberdade. Um filme adaptado de um livre tem que ser muito resumido. O livre permite você viajar nas histórias. Há quatro anos decidi largar o futsal e focar no canal. Meus pais sempre me incentivaram.”, disse.

Também sucesso entre os adolescentes, a atriz Giovanna Chaves, a Priscila da novela “Cúmplices de um Resgate”, do SBT, lançou seu livro “O Amor em poucas linhas”. Com a presença de muitos fãs, todos tiveram seus exemplares autografados pela jovem. “Estar na Bienal do Rio é a realização de um sonho. Incrível! Estou muito feliz em ver as crianças querendo meu livro autografado. Quem sabe não vem no futuro o ‘O Amor em poucas linhas 2’ ou até um filme”, comentou a atriz e agora também escritora que fez sua estreia no evento.

CAFÉ LITERÁRIO E ENCONTRO COM AUTORES

No encontro, o jornalista Edney Silvestre mediou um bate-papo entre a roteirista Maria Camargo; o romancista, cineasta, dramaturgo e também roteirista Fernando Bonassi; e a atriz Eliane Giardini. Eles falaram sobre a importância da adaptação de obras literárias na disseminação do conhecimento para a população.

“A TV e o cinema pautam debates importantes que acontecem no Brasil, e isso é um dos objetivos da arte, transferir conhecimento. O filme Carandiru, adaptado do livro do médico Drauzio Varella, por exemplo, reflete bem essa questão”, afirmou Bonassi. Já Maria Camargo lembrou outras obras que viraram minisséries de sucesso na telinha, como Dois Irmãos, de Milton Hatoum.  “A literatura muitas vezes só chega para as pessoas através das adaptações de TV e cinema, e essa é uma bandeira que temos que levar adiante”, completa Maria.

Na sessão seguinte, a jornalista Mariana Filgueiras recebeu os escritores Heloísa Seixas, Joca Reiners Terron e Santiago Nazarian, os três lançando livros durante a Bienal. Na conversa, os autores falaram sobre a influência de temas como o terror e a morte sobre a sua escrita.

O jornalista Rodrigo Casarin, discutiu a relação entre história e literatura com a historiadora Mary del Priore e os romancistas Alberto Mussa, carioca; Fabiano Costa Coelho, pernambucano; e o gaúcho Samir Machado de Machado. Na pauta, as influências que história e literatura recebem uma da outra e o papel de cada uma delas na tentativa de retratar a realidade brasileira.

No Encontro com Autores, a jornalista Daiana Garbin, autora do livro “Fazendo as Pazes com o Corpo”, que será lançado ainda este ano, e o psiquiatra Daniel Barros, que escreveu “Pílulas de bem-estar”, conversaram sobre distúrbios alimentares e outros problemas relacionados à aceitação do próprio corpo. Ex-repórter da TV Globo, Daiana conviveu durante anos com a dismorfia corporal e agora coordena o projeto “Eu Vejo”, voltado para a conscientização sobre o tema.