in

Atração do Rock in Rio, Dughettu comemora 10 anos de carreira

Dughettu é atração confirmada no Espaço Favela do Rock In Rio nesta quinta (3), além de ser um dos apresentadores do festival cobrindo pelo canal Multishow. O evento se encaminha para a segunda semana de shows e tem encerramento no próximo domingo.

“Estou muito feliz. Estar tocando em um festival como esse é muito importante. O palco Favela é muito potente, representativo e com artistas muito talentosos. Estou há um tempo sem me apresentar ao vivo, então esse show está trazendo vigor. Minha última apresentação aconteceu ano passado, na Duto  Acho que vai ser um espetáculo incrível”, comenta Dughettu.

Comemorando 10 anos de carreira, o rapper relembra os grandes nomes com quem colaborou já no álbum de estreia, o “É Questão de Quê?”. Segundo o cantor, por mais que o disco tenha surgido num momento muito cru da carreira do artista, serviu de muito aprendizado. “Eu gravei com o Plínio Profeta, que é um dos grandes produtores da música brasileira, Lenine, O Rappa, Elisa Lucinda, uma galera. Foi um disco que surgiu em um momento muito cru da minha carreira, mas que me possibilitou um aprendizado muito grande.”, conta. A faixa que dá nome ao disco foi gravado no Morro da Previdência, no Rio de Janeiro, pelas lentes do fotógrafo JR, ativista que trabalha em áreas de conflito em várias partes do mundo.

Após dois anos do lançamento, o músico, nascido e criado em Guadalupe, foi passou um tempo nos Estados Unidos. A experiência deu um ar novo para a carreira do artista e de alguma maneira reflete o olhar e o comportamento de Dughettu no que ele vai apresentar na cidade do Rock.

“Em 2011, eu fui pra Nova York, e aí eu vivi um outro momento da minha carreira, quando gravei o BPM 021, um disco que eu fiz no studio da Redbull. Fui o primeiro brasileiro a gravar no studio da redbull em Los Angeles. Em 2015, já de volta ao Brasil, eu passei por outro momento, que foi quando eu abri a Duto e comecei a construir essa minha nova narrativa, não só como artista, mas também como empreendedor, dono de um selo. Então, essa década é muito importante. Óbvio que ainda existe aquele nervosismo, mas hoje, existe mais maturidade neste momento. Quando eu subir no palco do Rock in Rio, não vai ser só o Dughettu, vai ter muita gente junto comigo, vibrando, torcendo e magnetizando muita energia positiva”.

Considerado por muitos e por ele mesmo, um homem intenso, Dughettu entrega o que os fãs podem esperar de seu show. “É um show denso, mas ao mesmo tempo, leve. Ele prende as pessoas, o repertório está muito dinâmico e as músicas conversam uma com a outra. Tem um peso muito grande sobre a violência urbana no Rio de Janeiro. As músicas que vou apresentar são mantras que mostram as questões raciais, questões de gênero, que a gente precisa refletir. Quem estiver ali realmente vai conseguir se conectar com uma mensagem inspiradora que tem propósito, verdade e causa”.

Sobre ser um dos apresentadores do Multishow e ter a oportunidade de cobrir o festival para o canal, o cantor está empolgado e curtiu muito o convite. “Foi muito legal essa oportunidade. O Multishow é um canal que tem esse DNA da música, sempre teve. O prêmio Multishow era algo que eu sempre acompanhei na minha trajetória. Então, estar ali, compartilhando com outros apresentadores que vivem e respiram música no seu cotidiano, vai ser bem bacana. Estou amarradão”, finaliza o artista.

“Qsifô” é o lançamento mais recente do artista e teve clipe divulgado em setembro de 2018. A faixa traz crítica social, além de uma sonoridade bem diferenciada. Dughettu se apresenta às 16h desta quinta, 3 de outubro, no Rock In Rio, que conta com apresentações de Red Hot Chilli Peppers e Panic! At The Disco no Palco Mundo.

Escrita por Otavio Pinheiro

Apenas mais um jornalista apaixonado por cinema e papelarias.

Site anuncia colaboração de Anitta com Luisa Sonza, Lexa e MC Rebecca em novo lançamento

Cleo estreia como produtora executiva no projeto audiovisual “Cleo On Demand”