in ,

Entrevista | Lupa sobe ao palco do Rock in Rio: “Show pra galera sair sem voz”

Imagem: Talita Alencar

Direto de Brasília, a Lupa é uma das bandas da capital do rock que se apresentam no Rock in Rio. Os artistas sobem no palco Supernova amanhã (3) e prometem apresentar os novos e antigos sucessos para o público. 

Formada por Mucio (vocalista), Junin (baterista), Moya (baixista), Victor (guitarrista) e Dezis (tecladista), a Lupa é uma das novas apostas da Sony Music. O último lançamento, “Bixinho”, já acumula mais de 150 mil reproduções nas plataformas de streaming. 

Na véspera da apresentação no Rock in Rio, o vocalista Mucio Botelho conversou com o Poltrona Vip e revelou curiosidades sobre a carreira da Lupa e compartilhou as expectativas para a grande apresentação na Cidade do Rock

Poltrona Vip: Vocês lançaram recentemente o single “Bixinho”. Como foi o processo de produção da música? 

Múcio Botelho: Foi uma loucura! Agora, a gente perdeu toda aquela agonia que a gente tinha. Durante o primeiro disco, a gente voltava em estúdio mais de um mês pra fechar uma música. Isso não faz sentido, não é o que a gente é. Agora, a gente tá gravando a música literalmente em um dia. Tocamos “Bixinho” ao vivo em estúdio uma vez, corremos pra gravação e já “metemo” pau nela. O clipe foi do mesmo jeito. A gente estava gravando clipe de uma música que nem foi lançada ainda. Quando estava terminando, olhamos o estúdio todo destruído e falamos que a gente precisava gravar um clipe na hora, a gente tinha que mostrar isso. Eu falei de gravar um clipe pra “Bixinho” e a música não tava nem pronta ainda, mas não importa. Tinha só o rascunho da música gravada e a gente chegou lá “na tora” e fizemos o clipe. Foi um processo super cru, super na cara e na coragem, saindo do jeito que a gente quer. Isso tá me deixando muito feliz! 

PVIP: Vocês já lançaram três singles esse ano. Já estão trabalhando no sucessor do “Lupercália” ou são apenas lançamentos avulsos? 

MB: No final do ano passado, a gente assinou contrato com a Sony Music. Aí tentamos adotar um novo método de lançamentos. No “Lupercália”, lançamos dois singles e depois, o CD inteiro. Agora, vamos escrever, gravar e lançar. Desse jeito, vai ser feito com o maior tesão do mundo! As músicas vão ser super verdadeiras pra gente na hora. Então, o processo de lançamento, divulgação e de rodar o Brasil com a música é muito diferente. Isso faz com que a gente esteja sempre trazendo conteúdo novo. Esse ano a gente quis testar lançamentos sequenciais e a gente tem mais algumas coisas pra soltar ainda. 

PVIP: Vocês vêm de uma cena muito importante para o rock. Como vocês definem a cena do rock em Brasília atualmente?

MB: Muita gente fala que Brasília já teve uma cena muito boa, mas que deu uma pausa. Nunca existiu uma pausa. Em cada buraco não só de Brasília mas de todo o Distrito Federal tem gente produzindo coisas maravilhosas. Não tem pra onde fugir, isso já é parte da nossa natureza. Agora, essa atenção que tá voltando pra Brasília é muito incrível. Dá gosto de ver porque é com paixão que a gente faz isso. Então, quanto mais gente ganha destaque, é melhor pra todo mundo. 

PVIP: Vocês tocam amanhã do Palco Supernova, no Rock in Rio. Como foram os preparativos? 

MB: Todo mundo pergunta se estamos preparando algo especial para o Rock in Rio, mas não dá pra preparar, bicho (risos). A gente tá tão feliz e tão empolgado que não faz nem sentido preparar algo. “A gente tem 35 minutos de show, então, a gente vai fazer isso, isso, isso…”, isso não existe. A gente ensaia, mas a partir do momento que a gente sobe no palco, é ali que a gente decide o que vai acontecer. Nas nossas vidas, os melhores momentos que a gente passou em cima do palco foram coisas que a gente não planejou. Eu tenho certeza que no Rock in Rio vai ser desse jeito. A gente tem que subir lá, sentir a energia do povo e fazer o que der na telha. Eu não consigo dizer nada do que a gente vai fazer, eu só prometo que vai ser um show pra galera sair sem voz. 

PVIP: Após o Rock in Rio, quais são os planos futuros? Que tipo de retorno vocês esperam que a apresentação possa trazer?

MB: O Rock in Rio é a maior vitrine do mundo! Estamos falando do maior festival desse planeta! A gente tá tendo uma atenção imensa, os lançamentos estão bombando, “Bixinho” tá tocando cada vez mais. Voltando do Rock in Rio, vamos entrar em turnê de novo pelo Brasil inteiro até o final do ano. A gente tem fãs incríveis em tudo que é buraco desse Brasil e é a maior felicidade nossa subir no palco em um canto que a gente nem pensou que ia chegar e tomar um susto com o tanto de gente cantando com a gente. 

Escrita por Matheus Queiroz

Jornalista e amante de cultura pop.

Cleo estreia como produtora executiva no projeto audiovisual “Cleo On Demand”

“Anti-Herói” | Em novo álbum, Jão expressa o amor ‘no sentido mais cruel’