in

Entrevista | Maiara Walsh conta mais sobre “Young Blood” e projetos para o próximo ano

A atriz Maiara Walsh, conhecida por papéis em produções como “Meninas Malvadas 2” e nas séries “Cory na Casa Branca” e “Desperate Housewives”, veio ao Rio para participar do evento Rio Market, paralelo ao Festival do Rio. A artista veio promover o trabalho “Sangue Fresco” (Young Blood), onde além de atuar, dirige e roteiriza.

O projeto conta a história de um menino que está em dificuldades financeiras e tem oportunidade de fazer dinheiro fácil numa clínica que oferece transfusões de sangue de doadores jovens e saudáveis para os ricos que querem se manter jovens, mas ele acabou descobrindo que há um segredo sádico por trás dessa clínica.

“Eu tava querendo montar um curta porque eu sabia que se eu quero fazer um longa eu preciso mostrar para os investidores que eu posso dirigir uma narrativa um filme. Então, eu tinha amigos que escreveram várias coisas para eu dirigir, pra eu ver se eu queria, mas eu tava falando “Nossa, eu não tenho visão para isso”. E daí eu tinha um amigo que foi para São Francisco. Tem uma companhia lá que fechou esse ano que ofereceu esses transfusões de sangue de verdade e ele me disse tudo sobre como eles fizeram tudo eu falei “Nossa, isso é como um vampiro moderno”. A história não saiu da minha cabeça e eu sentei uma noite escrevi tudo, com tratamento depois, com certeza, mas eu falei “É isso que eu quero fazer primeiro””, conta a artista.

Depois dos trabalhos no cinema e na televisão, esta é a primeira vez que a Walsh se dedica a escrever roteiros e dirigir um projeto próprio. Animada e cheia de planos, a artista conta que é preciso tomar atitude e colocar as ideias em prática.

“Eu estava fazendo os mesmos papéis de meninas mais malvadas, rebeldes, coisas assim e eu não tava sentindo que estava fazendo os papéis que eu realmente queria. Então, eu comecei a escrever por causa disso e depois do meu primeiro roteiro e eu falei “Minha mãe do céu, eu amo escrever! Eu vou fazer isso pra minha vida inteira!”. Então, é muito importante começar. Cê pensa que tem muita competição e que tem tantas pessoas que tem muito mais sucesso que você, mas tem espaço para todos e as pessoas que fazem sucesso agora o caminho não era perfeito, não era fácil. A maioria das pessoas que têm sucesso foi uma luta. Então, você precisa ter essa força de lutar!”, conta.

Filha de brasileira e dona de um português fluente, Maiara tem uma forte ligação com o Brasil e conta que planeja fazer produções brasileiras. A artista cita a história dos pais como um dos enredos que mais quer escrever.

“Tem algumas histórias já que eu quero escrever. Eu quero te ver história de como meus pais se conheceram porque minha mãe é de São Paulo, meu pai é dos Estados Unidos e eles se conheceram no Japão. E isso era antes de email e tudo, então, eles escreveram cartas e demorava um mês para chegar a carta do outro. Então, eu adoro essa história. Um dia eu vou te ver sua história, mas esse momento eu estou querendo melhorar o meu português porque eu quero muito escrever em português. Eu adoro escrever e eu tava falando com um amigo meu que é escritor nos Estados Unidos e já tava pensando “Eu tenho essa ideia, eu tô aqui no Rio eu vi esse túnel”. Então, com certeza eu vou escrever em português.”, diz.

Devido aos cortes de verbas feitos pelo atual governo do Brasil e da cidade do Rio de Janeiro, o Festival do Rio precisou buscar formas para que o evento fosse realizado. A organização contou com benfeitoria para arrecadar a quantia necessária para a realização do festival, além de contar com a ajuda de parceiros. Sobre a atual situação cultural não só do estado do Rio, mas do Brasil, Maiara comenta que faz parte do espírito brasileiro dar um jeito de fazer as coisas acontecerem.

“Eu acho que mostra o espírito brasileiro, a paixão dos brasileiros, que se o governo atual disser “Ah, nós vamos cortar tudo, tudo.” os brasileiros vão achar um jeito de continuar porque eu sei que a arte é muito importante aqui. Filmes, séries, tudo é muito importante para todos, não só para as pessoas que trabalham na indústria. E eu acho muito legal que eles lutaram tanto para realizar o festival”, finaliza.

Dentre seus próximos projetos está uma produção brasileira. No começo do próximo ano, ela começará a rodar “Diários de Intercâmbio”. No longa, da Ananã Produções, dirigido por Bruno Garotti, Maiara contracenará com Larissa Manoela e Thati Lopes. “A Larissa e a Thati vem para os Estados Unidos fazer intercâmbio e eu não posso falar muito do meu papel, mas eu sou americana louca! Eu adoro papéis assim.”, conta Walsh dizendo que o filme foi gravado em New York.

O convite para participar do longa chegou durante a passagem da artista pelo Brasil em novembro. Segundo Maiara, que veio gravar uma série brasileira que gosta muito, quando leu o roteiro já amou o papel. “Eu estava aqui no mês passado fazer uma série brasileira e já que estava aqui os produtores do filme estiveram aqui também. Então, eu conheci eles e daí eles me ofereceram o papel.”, contou. “Eu li e eu tava dando risada em voz alta e para mim isso era um sim“, completa.

Além dos projetos como roteirista e diretora, Maiara Walsh, que também é cantora, adianta que para o próximo ano também pretende gravar uma música em português. “Ano que vem eu vou gravar em português. Eu canto e eu sempre quis fazer algumas canções em português. Estou muito animada!”, conta.

“Um Lugar Silencioso – Parte II” ganha teaser trailer e primeiro cartaz; confira!

“É sombrio e pesado”, conta Amy Lee sobre novo disco do Evanescence