Connect with us

Música

Lorde: o furacão neozelandês amadureceu e está mais em alta do que nunca

Publicado

em

Um dos álbuns mais aguardados para esse ano é o “Melodrama”, segundo da precoce carreira de Lorde. A neozelandesa surgiu em março de 2013, quando lançou seu primeiro EP, “The Love Club”. Entre as faixas do material estava “Royals”, música que, mais tarde naquele mesmo ano, viria a se tornar o motivo do nome Lorde ser conhecido mundialmente.

Ainda em 2013, no segundo semestre, a cantora lançou seu primeiro álbum de inéditas, o “Pure Heroine”. Com esse material, Lorde viu seu nome em terceiro lugar da Billboard 200, principal parada de álbuns dos Estados Unidos. No total, foram comercializadas, mundialmente, mais de 4 milhões de cópias do disco, rendendo à cantora dezenas de certificações.

Com todo o sucesso, não foi de se espantar quando Lorde foi eleita a jovem mais influente de 2013 (mesmo com Miley Cyrus no auge de seu twerk) pela conceituada revista Time e a mulher do ano pela MTV. A neozelandesa, na época, ganhou o título de artista mais jovem a ter uma música no topo da Billboard Hot 100 (“Royals”): no dia 12 de outubro, Dia das Crianças, coincidentemente ou não, Lorde, com apenas 17 anos, foi o nome mais bem-listado do chart.

Enquanto ainda colhia frutos de todo o sucesso em 2014, a cantora não saiu da mídia por um bom tempo. Com lançamentos periódicos – em participações especiais -, Lorde não nos deixou esquecermos seu nome até dia 02 de março, quando lançou “Green Light”, carro-chefe do seu segundo álbum de inéditas.

Surpreendendo a todos, o single é dançante e flerta com as músicas pop e eletrônica. De início, suspeitamos em uma mudança de estilo musical cantado pela neozelandesa. O motivo? Poderia ser, por exemplo, a tentativa de alcançar um público maior. Porém, após a incrível performance do hit no Saturday Night Live,  voltamos atrás e percebemos que, na verdade, o que aconteceu foi que Lorde amadureceu. Assim como aconteceu com Miley Cyrus em 2013, ou Selena Gomez e Demi Lovato em 2015.

Quando a conhecemos, Lorde tinha apenas 16 anos. Portanto, não era de se espantar que a cantora “mudasse”. O diferencial ali seria o mesmo das ex-princesas da Disney que listei acima: a neozelandesa estava amadurecendo em frente às câmeras.

Uma semana após colocar “Green Light” no mundo, quando lançou “Liability”, Lorde nos mostrou, mais uma vez, o quão versátil pode ser. A música ficou ainda mais interessante quando também foi performada no Saturday Night Live, com a ajuda do produtor da cantora. Que apresentação grandiosa! É incrível como TODAS as músicas da Lorde ficam mais interessantes ao vivo.

Então, meu caro leitor, não se assuste. A Lorde não foi mudada pela indústria. Ela ainda é a mesma. Como a própria disse em seu Instagram, “um dia eu farei uma dança normal e coreografada e parecerei mais com seus demais artistas favoritos, mas a gente ainda não chegou nesse dia”.

Que venham mais hinos neozelandeses! Que venha o “Melodrama”! Que venha a Lorde!

E aí, gostou desta notícia? Acompanhe outros conteúdos exclusivos no Twitter e Instagram! Além disso, a Poltrona Vip também está no Facebook. Curta nossa página para não perder nada!  

Para informar qualquer erro ou falar com a gente por outro motivo, mande email para [email protected]. Agora, se quiser fazer parte da nossa equipe de colaboradores, clique aqui.

Mineiro de nascimento, carioca de coração. Estudante de Publicidade na Universidade Federal Fluminense. Gosto de música (todos os tipos, sou muito eclético), séries, livros e tecnologia.

Trending