Connect with us

Filmes

“Meu Tio José”, de Ducca Rios, compete na Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 

Publicado

em

Após uma estreia de sucesso no Festival Internacional de Cinema e Animação de Annecy, na França, o longa-metragem “Meu Tio José” será apresentado pela primeira vez no Brasil, na 45ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo, um dos principais e mais antigos festivais de cinema do Brasil. Nos dias 23 e 24 de outubro, acontecem as sessões presenciais do filme com votação popular.

Dirigido por Ducca Rios, o filme aborda fatos reais e conta o assassinato de José Sebastião Rios de Moura, membro do grupo de esquerda “Dissidência da Guanabara”, que se responsabilizou pelo sequestro do embaixador americano Charles Burke Elbrick, em 1969, durante a ditadura. 

Com produção executiva de Maria Luiza Barros e distribuição no Brasil da Tucuman/Fênix, o  longa já havia sido finalista em Annecy e no Vancouver Independent Film Festival. “É uma obra política e histórica voltada para o público jovem. Um belo exemplo da criatividade que corajosamente permanece na animação brasileira nestes tempos difíceis”, conta Marcel Jean, diretor artístico do Festival Internacional da Animação de Annecy.

O longa também está competindo no Anima Córdoba, Argentina, e foi selecionado para o Festival Internacional de Cinema de Autor, na cidade de Rabat, no Marrocos, além do Festival Spark Animation, novamente na cidade de Vancouver, no Canadá, que é um dos poucos festivais credenciados a indicar filmes para o short list do Oscar. “Meu Tio José mescla de forma brilhante drama familiar, drama escolar e drama político para contar uma poderosa história de forma interessante, acessível e pungente”, conta a diretora do festival Spark Animation, Marina Antunes

O projeto se inspira na história de vida do diretor para narrar, a partir do olhar de uma criança, Adonias, a trajetória do seu tio José, que participou junto a outros ativistas de esquerda do sequestro do embaixador americano Charles Burke Elbrick, em 1969. “É uma obra importante, cíclica. Começa num golpe e vai ser lançada durante um outro golpe. Ela toca as pessoas porque faz essa revisita, lembrando esse evento trágico da minha infância, que remete a tantas lembranças. Foi meu tio quem me ensinou a nadar, ele brincava muito comigo e com meu irmão”, conta o diretor. Aliando essas boas memórias afetivas ao trabalho com cinema, Ducca decidiu homenageá-lo com seu primeiro longa-metragem, chamando atenção para um crime até hoje sem resposta. “Tem muita coisa ficcional, usando a simbologia da época, como o próprio ato de ilustrar, de fazer um filme todo desenhado a mão, mas boa parte é baseada em fatos reais“, revela.    

Historicamente, José permaneceu exilado durante dez anos, antes de retornar ao Brasil, onde foi morto em um crime com evidências fortes de motivação político-ideológica e que permanece sem solução. Na trama, o conflito principal se dá a partir de uma redação que Adonias tem que escrever na escola, mesmo dia em que seu tio sofre o atentado, em 1983, sendo depois levado ao hospital em estado grave.

Daí em diante, Adonias tem que lidar com a tristeza de sua família, com as desavenças na escola e com a angústia de ter que cumprir a tarefa pedida pela professora.  “Um dos atributos da animação é a possibilidade de revelar um drama com leveza. Meu Tio José se apropriou bem dessa particularidade e nos deixa atentos para o desfecho, cativados pela delicadeza da narrativa”, conta Aída Queiroz, Diretora do Festival Anima Mundi e apoiadora do projeto. 

O elenco conta com grandes nomes do cinema como Wagner Moura, Tonico Pereira e Lorena Comparato, entre outros talentos. Moura, dá voz a José e se mostrou bastante receptivo com o convite. “Apoio, assino embaixo. Fico contente, ainda mais na linguagem que Ducca escolheu, a animação, pouco comum no cinema brasileiro, sobretudo no baiano”. Já Comparato encarna a professora Adriana, enquanto Tonico vive o diretor da escola.

Na trilha sonora, cinco canções de Chico Buarque se apresentam desconstruídas e com uma roupagem rock’n roll em versões totalmente instrumentais, a não ser “Apesar de Você”, que ganha interpretação de Lirinha, vocalista do Cordel do Fogo Encantado, são elas: Roda Viva, Construção, Deus lhe pague, O que será e Apesar de você.    

E aí, gostou desta notícia? Acompanhe outros conteúdos exclusivos no TwitterFacebook e Instagram! Além disso, siga também no Google Notícias para não perder nada!  

Para informar qualquer erro ou falar com a gente por outro motivo, mande email para [email protected]. Agora, se quiser fazer parte da nossa equipe de colaboradores, clique aqui.

Trending