in

Brasileiro integra equipe de “Mother of the Dawn”, curta indicado ao festival South By Southwest; saiba mais!

“Mother of the Dawn” chama atenção por contar uma história brasileira emocionante e também por ter um produtor brasileiro. O paulistano Nicholas Col faz parte da equipe que está concorrendo ao prêmio de “Melhor Curta Documental” do South by Southwest – SXSW, um dos maiores festivais de cinema dos Estados Unidos.

“Estamos muito animados para levar a história incrível dessa pioneira para fora do país através de um festival como SXSW. Tia Neiva, nordestina e mãe solteira, conseguiu levantar uma multidão de fiéis, e acreditamos que sua história deve ganhar maior reconhecimento agora. Foi muito enriquecedor ver de perto como as lições dela ainda estão vivas e são passadas entre os seguidores da doutrina, que mantém o maior respeito e admiração por ela”, afirma Col.

Nicholas é o produtor de campo (field producer) do curta que tem direção da norte-americana Janell Shirtcliff e roteiro assinado pela norte-americana Angie Simms. Na produção ainda estão o produtor Tommy Savas, o produtor executivo Mike Savas, o co-produtor Eric Pumphrey, a co-produtora Angie Simms e a produtora de história Daisy O’Dell, todos também norte-americanos.

“Nas filmagens, fui responsável por ser a ponte entre a doutrina do Vale do Amanhecer e a produção formada por um time todo norte-americano. Ainda fui responsável pela pesquisa, por estabelecer a relação com a doutrina, pela produção local, e conduzir entrevistas com os seguidores e família da Tia Neiva”, explica Nicholas Col sobre sua função.

Formado em Produção de Filme e TV pela Loyola Marymount University, em Los Angeles, Nicholas Col tem um extenso currículo no cinema. Durante a carreira, atuou como parte do time de desenvolvimento da Intuition Production, desenvolvendo projetos para os principais canais de streaming e estúdios norte-americanos, como Netflix, HBO e Warner Brothers. Também trabalhou como pesquisador na série documental Brother From Another, com direção de Lysa Heslov e produção executiva de George Clooney. Além de ter feito parte do time de desenvolvimento e criação de séries e filmes na produtora brasileira Reagent Media.

“Estou produzindo um curta-metragem com a diretora Jessica Teleze chamado Marisco. E também produzindo e dirigindo um documentário sobre trabalho voluntário com crianças em países africanos”, conta Nicholas Col sobre seus projetos atuais, além de “Mother of the Dawn”.

“Mother of the Dawn”  conta a história da clarividente sergipana Neiva Chavez Zelaya (1925-1985), conhecida como Tia Neiva, que em 1950, quando trabalhava na construção de Brasília como caminhoneira, passou a ter visões de entidades espíritas. Em 1959, ela fundou a União Espiritualista Seta Branca (UESB) na Serra Ouro em Goiás, passando a realizar trabalhos espirituais. Já em 1969, fundou o Vale do Amanhecer, como hoje é conhecido, em Planaltina, no Distrito Federal.

A doutrina Ordem Espiritualista Cristã, desenvolvida por Tia Neiva, hoje, conta com templos espalhados pelo Brasil e por outros cantos do mundo, inclusive, nos Estados Unidos. São mais de 800 mil seguidores da doutrina que adota crenças de diversas religiões e civilizações, e tem templos conhecidos por seus enormes simbolismos. No “Templo Mãe”, por exemplo, há uma pirâmide suntuosa à beira de um enorme lago cercado por orixás.

A estreia de “Mother of the Dawn” nos Estados Unidos acontece dia 12 de março, durante o South by Southwest. Este ano, o festival ocorre entre os dias 10 e 19 de março em Austin, no Texas. Ainda não há previsão de estreia no Brasil. “O documentário deve ser inscrito para concorrer a prêmios brasileiros, então ainda estamos aguardando por isso”, explica Col.

Escrita por Otavio Pinheiro